Notícias

Formação online é cada vez mais procurada por estudantes

Com a crescente familiaridade com a tecnologia e uma confiança maior nos cursos a distância, modalidade vem crescendo

SÃO PAULO – No início, os cursos eram poucos e a desconfiança era muita. A cada ano, a oferta aumenta, os interessados se multiplicam e a aceitação do próprio mercado de trabalho avaliza a educação a distância como uma forma segura de aprendizado. Nos anos recentes, enquanto o ensino presencial registrou uma sensível queda no número de matrículas, os cursos de EAD – como o nome da modalidade é abreviado – chegaram a 5 milhões de alunos em 2015, na soma entre cursos livres e regulamentados. Esse número representa um aumento de mais de 20% em relação ao registrado no ano anterior. A maior parte dos estudantes a distância está matriculada na graduação.

“E ainda há muito espaço. Hoje, temos 12 milhões de brasileiros com médio e sem superior”, projeta Janes Fidelis Tomelin, conselheiro da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed). Além da demanda reprimida, o educador cita a desmistificação da modalidade, a expansão dos polos de apoio presenciais e a crescente familiaridade com a tecnologia. “Este último fator atrai os jovens que já nasceram digitais e preferem estudar nesse formato.”

Mas a escolha tem de ser consciente. O alto percentual de evasão – passa de 50% em algumas instituições – decorre em boa parte de uma percepção equivocada do estudante ao acreditar que, por ser a distância, ele não vai precisar ter uma disciplina com horários e cumprimento de prazos.

“Nesse ponto, EAD é até muito mais rigoroso”, diz Fátima Rodrigues, de 40 anos, aluna do 5.º semestre de Pedagogia na Laureate. O curso, o mais procurado entre todos na modalidade, é a segunda graduação da professora de inglês: a primeira foi presencial, em Turismo, há quase 20 anos. “Em EAD, não dá para estar só de corpo presente em uma aula. Não importa o horário que defino para estudar, no momento em que sento, preciso me concentrar e estar inteira ali. Sou muito mais responsável pelo próprio aprendizado.”

É importante não confundir auto-organização com a ideia de ser autodidata. O aluno EAD não precisa aprender por conta própria – ele terá a instituição como provedora do conhecimento e deve receber dela todo o suporte necessário -, mas cabe a ele se organizar para apreender o conteúdo. Um profissional que consegue manter sua disciplina sozinho é justamente o que o mercado mais tem buscado. Em tempos de estímulo ao “home office”, até porque ocupar um espaço físico é muito caro, as empresas já demonstram predileção por quem consegue produzir longe do olhar do chefe.

Fique atento

Antes de se matricular em um curso EaD, saiba o que cada instituição de ensino deve oferecer e o que é importante o estudante ter de estrutura, para que o curso seja feito de forma satisfatória:

Instituição

+ Certifique-se de que terá acesso a professores e tutores para tirar dúvidas

+ Solicite portaria de autorização daquele curso. Se o curso já é ofertado há mais de dois anos, tem de ter portaria de reconhecimento do Ministério da Educação

+ Verifique a regularidade do polo, ou seja, se o polo está no e-MEC (sistema público e de consulta livre do ministério)

+ No ato da matrícula, peça os canais  de contato com a instituição para casos como acerto sobre boleto e atestado de matrícula

+ Verifique se a instituição oferece biblioteca virtual, para não ter de ir até o polo para pegar um livro emprestado. Existem mais de 12 mil títulos disponíveis virtualmente, mas é preciso que a instituição assine o serviço

Aluno

+ É importante que o aluno tenha um computador em casa e um smartphone para o uso em deslocamentos. Cada vez mais,

as instituições estão adaptando os conteúdos para mobiles. Invista em um celular com tela grande

+ Para assistir aos vídeos e participar de webconferência, é preciso ter a assinatura de um bom plano de banda larga

FONTE: Estadão. Clique aqui e confira a matéria

f5b4b661c9804b68fce8a1d56f765035777777777